domingo, novembro 06, 2011

Achados e perdidos

Voz feminina no blues

Pode parecer ignorância da minha parte, mas até onde sei são poucas as cantoras de blues que possuem algum destaque. Não estou falando de jazz, soul ou ritmo similar. Estou falando de blues mesmo, daquela pegada rápida e forte, que deu origem ao rock and roll, com aquela guitarra solando e tudo mais que tem direito. Sinceramente não me lembro de uma cantora que esteja no panteão dos mestres do estilo como o lendário Robert Johnson, Buddy Guy, BB King, Steve Ray Vaughan, dentre outros. Alguns perguntariam: E Janis Joplin? Sim, Janis merece destaque, mas pessoalmente não gosto muito da sua voz e acho o seu trabalho um pouco inconsistente. Entretanto, existe uma cantora que merece ser citada – antes que me chamem de machista ou coisa parecida.


Tina Turner. Isso mesmo! A velha e boa – bota boa nisso! – Tina Turner e suas famosas pernas. Sex appel a parte, Tina e o seu ex Ike Turner trilharam a estrada regravando e compondo grandes sucessos de blues. Ike Turner ficou conhecido como o marido cafageste e violento de Tina Turner, mas foi ele quem a criou – deu até nome e sobrenome – e tem um trabalho de respeito. Infelizmente a carreira de Ike não sobreviveu a separação e a biografia e filme sobre a vida de Tina Turner. Ex-esposa com raiva é o quinto cavaleiro do apocalipse!

Mas falaremos de Tina. Confesso que lembro mais da sua carreira a partir dos anos 80, quando retomou-a após a separação de Ike. Foi uma fase mais pop, voltada para vendagem de discos e shows, que não me atraia muito. Só que a carreira de Tina é bem mais do que isso. É só dar uma olhada no youtube ou algum site de música que podemos perceber seu talento e um trabalho sólido com blues – fruto da mente de Ike. Atualmente está meio sumida, mas a qualidade do trabalho permanece intacta e de fazer inveja a qualquer Beyonce.

Para vê-la em ação, uma pequena amostra do seu talento.