domingo, julho 31, 2011

Viana

Essa semana fui ao município de Viana. Sim, Viana, o município mais rural da região metropolitana. Aquele que um dia tive o (des)prazer de ser servidor público - e concursado ainda por cima! Fui tentar  conseguir um documento pela quinta vez, já que nas vezes anteriores a incompetência do DRH municipal conseguiu se superar. Como é difícil para os cargos comissionados de lá entenderem o que eu peço, fiquei mais uma vez sem  conseguir atingir meu objetivo.
Para não perder a viagem, tirei algumas fotos de paisagens bucólicas da sede do município.


sábado, julho 23, 2011

Em homenagem a final da Copa América

Qualquer semelhança não é mera coincidência

God bless America

Ubuntu

Depois de passar quase dois meses num serviço, daqueles bem casca grossa em Guarapari, consegui realizar meu objetivo de comprar um notebook, com HD particionado, tendo Windows e Ubuntu Linux.
Amigos, posso afirmar com certeza: foi a melhor coisa que fiz até hoje em informática! É uma maravilha! O Ubuntu é sem dúvida mais rápido e mais ágil do que o windows 7, além de oferecer opções de vários programas gratuitos, disponíveis para dowload e, o melhor de tudo, sem custo nenhum!
Ainda estou apanhando um pouco, mas se acho que é um caminho sem volta. Software livre já!

Esse Kajuru...

Por gastar com mulheres, “Datena me deu um tapa na cara”, diz Kajuru

Da Redação
Em entrevista à TV Lance!, exibida na quinta-feira (21/07), o apresentador Jorge Kajuru, atualmente no canal Esporte Interativo, deixou vazar que conseguiu uma entrevista com o goleiro Bruno na cadeia, disparou contra os apresentadores Faustão e Gugu e relembrou momentos marcantes da sua relação com José Luiz Datena, como a vez em que o contratado da Record lhe convidou para ganhar R$ 100 mil na Bandeirantes, mas acabou levando um tapa pela forma como gastava a maior parte do seu salário.

“Como eu tenho vontade demais de pegar umas mulheres gostosas, capas da Playboy, aceitei a proposta. Eu gastava 70 mil por mês (com mulheres), o Datena me dava esporro, me batia. Um dia ele me deu um tapa na cara”, disse sem se arrepender de suas atitudes na época e chamando Datena de "mãe". Nos momentos de dificuldade, quando estava doente e desempregado, Kajuru afirma que 95% dos seus amigos o abandonaram. “Eu me sentia um leproso com o afastamento das pessoas”.

Quando perguntado a respeito de uma vontade ainda não realizada na sua carreira, Kajuru disse que sonha em ter um programa de auditório. “Sou muito melhor que Gugu e Faustão juntos. Sou mais engraçado, mais bem humorado, mais culto, até porque eles não leram nem gibi”, criticando também parte da imprensa esportiva, considerada por ele como "analfabeta".

Exclusiva com Bruno  
Com um programa de entrevistas no Esporte Interativo e sem revelar muitos detalhes, Kajuru confirmou que recentemente realizou uma entrevista com o ex-goleiro do Flamengo, Bruno, na prisão. “Essa ainda é uma entrevista que está em sigilo”. O jogador de futebol está preso e é acusado de participação no sequestro e morte de Eliza Samudio, sua ex-amante. 

Fonte: Comunique-se
 Fica a curiosidade para saber quem eram as globais que ele pegava .Panicats não precisa, pois já está na cara.

quinta-feira, julho 14, 2011

Picada Global

A Tribuna dá de dez



Sindicato denuncia descaso e jornalistas compram geladeira

Jornalistas do jornal "A Tribuna" de Vitória (ES) fizeram uma "vaquinha" e compraram uma geladeira para garantir a alimentação. "O jornal não oferece condições mínimas para os jornalistas se alimentarem e cobra altos valores em cantina", denuncia o Sindicato dos Jornalistas.
"Os jornalistas encontraram uma saída um tanto quanto inusitada diante do descaso dos patrões em relação à alimentação de seus funcionários", reconhece a presidenta do Sindicato dos Jornalistas, Suzana Tabagiba, que informou que a empresa chegou até a propor que os jornalistas assinassem um termo de compromisso, no qual se responsabilizam por qualquer problema de saúde proveniente da ingestão de alimentos guardados no refrigerador.
Fonte: O Jornalista

Já que o pessoal não reclama dos baixos salários na redação, fica mais fácil fazer uma vaquinha para comprar geladeira. E olha que não foi mencionada aquela história do pessoal voltar a redação depois de bater o ponto de saída – que é público e notório entre a “categoria”. Fica a sugestão: já que a empresa faz promoção de sorteio de carro, porque não fazer uma para geladeira. Vai que o pessoal da redação ganha!



terça-feira, julho 12, 2011

Efeitos colaterais da inclusão digital

Para quem acha que é paranóia...

Wikileaks: Diplomatas dos EUA se reuniram com mídia brasileira



A estrutura diplomática dos Estados Unidos mantém-se permanentemente alerta para o comportamento da imprensa. Um dos centros das atenções, segundo mostram documentos vazados pelo Wikileaks, é a repercussão de questões relacionadas à política interna norte-americana, além de questões de relações bilaterais e temas relacionados a Israel.
Em meio a diversas análises do que sai na imprensa brasileira, há divagações curiosas. Em 23 de outubro de 2009, em meio à discussão de como a mídia se comporta, um despacho assinado pela conselheira diplomática Lisa Kubiske, tudo começa por elogios: "Os jornalistas brasileiros, falando genericamente, são profissionais, equilibrados e buscam objetividade".
A seguir, ela sustenta que muitos são "imparciais" no tratamento concedido aos EUA, ainda que não concordem pessoalmente com as políticas norte-americanas. "Alguns articulistas da mídia dominante demonstram viés contra as políticas dos EUA, embora a tendência tenha começado a mudar com a eleição do presidente (Barack) Obama", avalia.
A análise se aprofunda: "Um pequeno segmento do público brasileiro aceita a noção de que os EUA têm uma campanha para subjugar o Brasil economicamente, miná-lo culturalmente e ocupar com tropas pelo menos uma parte de seus territórios. Esse tipo de atitude e de crenças influenciam repórteres e comentaristas em questões como o retabelecimento da Quarta Frota da Marinha dos EUA (caracterizada como uma ameaça para o Brasil), supostamente por nefastas intenções em direção à Amazônia e à "Amazônia Azul" (mares onde novas reservas de petróleo foram encontradas) e mais recentemente o anúncio do acesso dos EUA a bases militares colombianas".
Há alguns despachos que relatam encontros de membros da imprensa com embaixadores, cônsules e funcionários da diplomacia.


RBS amiga
Em um telegrama de 2005, o então cônsul de São Paulo, Patrick Dennis Duddy, narra uma visita do então embaixador John Danilovich a Porto Alegre. A capital gaúcha contava com um consulado próprio, até 1997, quando passou a ter apenas uma agência consular. O embaixador teve três dias agitados, recheados de encontros com empresários e políticos.
Um dos pontos mais curiosos do relato diz respeito a uma entrevista concedida por Danilovich aos veículos da RBS. "O embaixador teve um almoço 'off the record' com a direção editorial do grupo RBS, o maior grupo regional de comunicação da América Latina". Os números da empresa são apresentados no relato, com detalhamentos sobre operações no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, incluindo a afiliação à Rede Globo, as 120 estações de rádio em dez estados e o jornal Zero Hora. "O embaixador subsequentemente concedeu uma entrevista 'on the record' para o Zero Hora e para a rede de rádios."
O documento ainda frisa, em sequência, as relações política entremeadas ao grupo de comunicação. "Pedro Parente, que era chefe da Casa Civil do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), é vice-presidente executivo da RBS", aponta Duddy. Imediatamente a seguir, uma "nota" complementa a informação: "Nós temos tradicionamente tido acesso e relações excelentes com o grupo".


Estadão amigo
Um documento de março de 2005, vazado em fevereiro de 2011, relata um encontro entre o embaixador John Danilovich e líderes da comunidade judaica da capital paulista. A audiência — dois meses antes da Cúpula América do Sul-Países Árabes daquele ano, em Brasília — teve a presença de Abraham Goldstein, presidente da B’nai Brith do Brasil, e Henry Sobel, rabino chefe da maior sinagoga paulistana.
O relato da conversa transcorre no sentido de aprofundar laços com comunidade judaica, mas guarda notas sobre a mídia que passaram despercebidas na ocasião do vazamento, em dezembro do ano passado (o documento já foi publicado pelo Wikileaks).
Goldstein teria dito a Danilovich que possivelmente haveria uma campanha de imprensa para garantir os pontos de vista favoráveis a Israel e à comunidade de judeus no país. "Goldstein disse que enquanto o editor de O Estado de S.Paulo prometeu cobertura 'positiva', outros jornais de grande circulação são vistos como tendo inclinação pró-Palestina e não parecem ser de grande ajuda", redige o embaixador. Na "campanha" estudada, havia menção a buscar não judeus que pudessem criticar o governo brasileiro no que eles consideravam uma tendência anti-'sionista, centrada na figura do secretário-geral do Itamaraty, Samuel Pinheiro Guimarães.


Encontros com jornalistas
Nos despachos, além de muita leitura e fichamento de jornais, há relatos de reuniões esporádicas com profissionais de mídia. Carlos Eduardo Lins da Silva, ex-ombudsman da Folha de S.Paulo, participou de quatro encontros com diplomatas descritos nos documentos.
O primeiro, em abril de 2006, foi um encontro com Anthony Wayne, assistente do Departamento de Estado para assuntos econômicos que participava do Fórum Econômico Mundial América Latina. Durante o evento, sediado na capital paulista, Lins da Silva é apresentado como "ex-jornalista" e "consultor político". No encontro, ele teria afirmado acreditar na viabilidade de Geraldo Alckmin (PSDB) como candidato da oposição.
O segundo encontro ocorreu em 2008, quando Lins da Silva havia sido reconduzido ao posto de ombudsman da Folha.
O então senador do Nebraska, o republicano Chuck Hagel, teve um almoço em São Paulo com a participação de Celso Lafer, ministro de Relações Exteriores (1995-2002) da gestão Fernando Henrique Cardoso, Rubens Barbosa, embaixador brasileiro em Washington (1999 a 2004), Rubens Ricupero, ex-ministro da Fazenda e ex-embaixador nos EUA e na OMC, e Sérgio Amaral, ex-ministro da Indústria (2001-2002). Mas o único participante sem elos com ministérios nem com o Itamaraty não tem nenhuma declaração citada.
Em novembro de 2008, ainda em seu segundo mandato como ouvidor da Folha, Lins da Silva é qualificado como "ex-editor sênior" do Valor Econômico. A reunião, no caso, foi com o cônsul-geral Thomas White a respeito dos planos de exploração dos campos de petróleo do Pré-Sal. O jornalista avaliava que a crise financeira atrasaria os prazos de extração dos poços do campo de Tupi.
Quando Arturo Valenzuela, secretário assistente para assuntos do hemisfério ocidental, passou pelo Cone Sul em 2010, Lins da Silva aparece novamente em um despacho diplomático. No mesmo encontro estavam o sociólogo Bolivar Lamounier, Lafer, Barbosa e José Goldemberg, ex-ministro de Ciência e Tecnologia e da Educação na década de 1990.
O ombudsman "destacou o vigor financeiro sem precedentes do PT [Partido dos Trabalhadores] para executar uma campanha, após oito anos no governo" que, em caso de derrota, produziria uma oposição "muito problemática".
Lamounier aparece em episódio anterior, ainda em 2007. Ele teria almoçado em 28 de setembro ao lado de Jose Augusto Guilhon de Albuquerque com funcionários da embaixada em São Paulo. Ambos são apresentados como acadêmicos "associados" ao PSDB. O blogueiro do site da revista Exame, da editora Abril, apostava que Lula não tentaria terceiro mandato e que a candidatura apoiada por ele levaria a melhor. Acertou.
E disse ainda que o presidente seguinte teria de buscar apoio do PMDB, em função de seu tamanho e peso. "O PMDB", avisou Lamounier, "é sempre o problema, nunca a solução, porque não tem nenhuma identidade política nem ideológica e existe com o único propósito de avançar em interesses pessoais para seus membros".


Waack
Quem também participou de almoços e encontros com funcionários do governo dos EUA foi o apresentador do Jornal da Globo, William Waack. O primeiro entre os citados foi em 28 de abril de 2008. Uma visita de jornalistas ao almirante Philip Cullom, que passava pelo Brasil para uma série de exercícios conjuntos entre as marinhas dos EUA, Brasil e Argentina.
De acordo com o relato do então embaixador Clifford Sobel, a visita de "membros da imprensa brasileira" resultou numa "cobertura positiva". Entre todos os jornalistas, apenas o apresentador do Jornal da Globo é nomeado, por ter "apresentado em duas reportagens para O Globo sobre a visita que reflete a importância da parceria dos EUA com o Brasil".
Outro encontro deu-se em setembro de 2009, com a presença de Sérgio Fausto, à época diretor do Instituto Fernando Henrique Cardoso (iFHC). Nele, Waack trouxe a informação, que posteriormente se revelaria falsa, de que os então governadores de São Paulo, José Serra, e Minas Gerais, Aécio Neves, teriam acertado uma chapa-puro-sangue do PSDB para rivalizar com Dilma Rousseff.
O terceiro encontro foi com o atual embaixador, Thomas Shannon, em fevereiro de 2010. Waak teria dito que em um fórum com empresários, Aécio Neves teria se mostrado "o mais carismático", Ciro Gomes "o mais forte", Serra "claramente competente" e Dilma "a menos coerente".
Em agosto de 2005, há menção a um encontro com oito jornalistas e comentaristas de jornais, revistas, TV e internet. Nenhum é mencionado, mas muitas teorias são listadas sobre o que se sucederia às denúncias de corrupção consagradas como o escândalo do "Mensalão".
Fernando Rodrigues, repórter especial de política da Folha e autor do blog UolPolítica, teve pelo menos duas conversas com o assessor político da embaixada dos EUA, segundo os documentos. Em ambos, foi procurado para dar a contextualização de questões relativas ao país: o funcionamento do Tribunal de Contas da União e o futuro de Aldo Rebelo (PCdoB-SP) caso perdesse a eleição para presidente da Câmara dos Deputados em 2007.
Fonte: FNDC

Dessa toda essa corja que foi citada, a surpresa é não ver o nome do reaça Boris Casoy. Será que está desprestigiado junto ao Tio Sam?

domingo, julho 10, 2011

Imagens da greve

Suspensa a greve dos servidores do Poder Judiciário Federal , ficam algumas imagens de lembrança.

Canelone a'lamatricciana

E não é que aquele curso de massas e comida italiana está rendendo. Apresendo agora, Canelone a'lamatricciana (deu um trabalho da porra, mas saiu), acompanhado de carne de panela e salada de alface com palmito, azeitonas pretas e alcaparras. O vinho é brasileiro mesmo!

Entendendo a piada

Rafinha Bastos: MP pede abertura de inquérito por piada sobre estupro



O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) pediu abertura de inquérito policial contra o apresentador e humorista Rafinha Bastos, do programa "CQC", da TV Bandeirantes, para apurar suposta incitação e apologia ao crime após uma “piada” sobre estupro, informa a Folha de S. Paulo desta sexta-feira (8/7).
As declarações foram feitas por Bastos em seu show de comédia stand-up e reproduzidas na revista "Rolling Stone" de maio. "Toda mulher que eu vejo na rua reclamando que foi estuprada é feia pra Caral.. Tá reclamando do quê? Deveria dar graças a Deus. Isso pra você não foi um crime, e sim uma oportunidade. Homem que fez isso (estupro) não merece cadeia, merece um abraço", disse na ocasião.


Estupro e apologia ao crime
Segundo o jornal, o caso será enviado à 3ª Delegacia Seccional da capital paulista na segunda. Caso seja condenado, Rafinha Bastos pode pegar de três a seis meses de prisão por incitar estupro e, pelo mesmo período, por apologia ao crime.
O pedido foi feito pela promotora de Justiça Valéria Diez Scarance Fernandes, coordenadora do Núcleo de Combate à Violência Doméstica e Familiar.
"O estupro é um crime. O estuprador é um criminoso que deve ser punido e não publicamente incentivado", alega.
A reclamação para a solicitação de abertura de inquérito partiu da representação feita à Promotoria pela coordenadora do Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher, órgão vinculado à Defensoria Pública do Estado de São Paulo, Thais Helena Costa Nader.
Em resposta à Folha, Bastos declarou apenas que faz seu trabalho de humor.


Convite para 'visitar' uma Delegacia da Mulher
No último mês, a presidente do Conselho Estadual da Condição Feminina São Paulo (CECF), delegada Rose Corrêa, disse em entrevista ao Comunique-se que se dispõe a esclarecer e orientar o humorista do CQC a respeito do trauma causado pelo estupro a uma mulher, após o humorista ter feito uma 'piada' sobre o crime.
“Se ele nunca viu o estado que uma mulher fica depois de ter sido estuprada, eu me disponho a levá-lo em qualquer Delegacia de Proteção à Mulher para que ele veja de perto o que é isso, como é isso e não faça piadas com um assunto tão delicado.”
Na ocasião, Bastos respondeu o seguinte:“Se os comediantes tiverem que responder por toda piada que fazem, não vão ter tempo pra mais nada na vida. Nem pra fazer comédia".


Fonte: Comunique-se

Já que pode tudo,o Rafinha poderia usar sua origem judaica e fazer uma piada sobre o holocausto. Quem sabe da situação dos palestinos? Afinal, humor não deve ter barreiras, não é mesmo!

Defecando e roubando

"Caguei. Caguei montão", dispara Ricardo Teixeira contra denúncias da imprensa



Anderson Scardoelli


A entrevista que o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira, concedeu à revista Piauí, de julho, causou indignação entre os jornalistas esportivos. Na conversa com a repórter Daniela Pinheiro, o dirigente ameaça impedir o credenciamento do profissional que bem entender para a Copa do Mundo de 2014, que terá o País como sede.
“Em 2014, posso fazer a maldade que for. A maldade mais elástica, mais impensável, mais maquiavélica. Não dar credencial, proibir acesso, mudar horário de jogo. E sabe o que vai acontecer? Nada. Sabe por quê? Porque eu saio em 2015. E aí, acabou”, diz Teixeira.
A ira do chefão da CBF não é apenas com a imprensa brasileira, mas também com os jornalistas da BBC. Inclusive, boa parte das denúncias contra Teixeira, que serviu de material para a TV Record, surgiu da investigação do repórter da emissora britânica Andrew Jennings, que recentemente lançou o livro Jogo Sujo - O mundo secreto da Fifa: Compra de votos e escândalo de ingressos.
Para Cosme Rímoli, colunista do R7, a postura do homem-forte do futebol brasileiro representa alguém que tem a percepção que irá se manter à frente da CBF até o momento que quiser, mesmo sendo alvo de inúmeras denúncias. “Isso tudo é absurdo, representa o resquício que sobrou da Ditadura Militar no Brasil. É a desmoralização do futebol brasileiro”, criticou.


Não é novidade


Ter problema para se credenciar em alguma competição que tem a presença da seleção comandada por Teixeira não é novidade para Juca Kfouri, da ESPN, CBN e Uol. Em contato com o Comunique-se, o comentarista declara que chegou a receber um comunicado da Fifa informando que ele não poderia cobrir a Copa do Mundo de 1998. Porém, a proibição durou apenas quatro dias, revela o próprio jornalista.
Sobre a entrevista publicada pela Piauí, Kfouri comenta que o cartola finalmente mostra para a mídia o verdadeiro jeito. “Como escrevi no meu blog, a matéria revela o homem (Ricardo Teixeira) em toda a sua dimensão”, analisa.
“Só vou ficar preocupado quando sair no Jornal Nacional”
Teixeira não apenas critica a imprensa, mas também desdenha das denúncias jornalísticas que o acusam de corrupção e outros crimes. Algumas frases do dirigente repercutiram na internet e foram republicadas, por exemplo, no blog de Cosme Rímoli.
“Não ligo. Aliás, caguei. Caguei montão”, “só vou ficar preocupado, meu amor, quando sair no Jornal Nacional” e “A imprensa brasileira é muito vagabunda... Não leio mais porra nenhuma, a vida ficou leve para cacete, tá muito bom” foram frases que Teixeira ‘disparou’ contra as denúncias que vêm da imprensa.


Fonte: Comunique-se
O pior de tudo é saber que o meu, o seu, o nosso dinheiro vai ser utilizado da forma mais conveniente por essa figura, para a Copa de 2014.

domingo, julho 03, 2011

Nova logo do governo federal

Domingo é dia de macarronada... à putanesca!

Pene à putanesca, acompanhado de lombo de porco assado ao molho de champignon.Para beber, vinho australiano.







A linha tênue entre verdade e mentira

Verdade ou mentira? Os sites que enganam a imprensa – com muito bom humor




Silvana Chaves



“Mulher engravida após assistir filme pornô em 3D”. Essa manchete, publicada pelo site Sensacionalista no início de maio de 2010 causou, literalmente, uma grande confusão na internet. Milhares de sites e blogs - nacionais e estrangeiros – reproduziram a notícia, como se fosse verdadeira, sem checar as informações.


No Brasil, além de ter sido reproduzido por diversos veículos – sem a devida apuração, é claro – o assunto chegou, na época, a ser o mais comentado no Twitter e na própria web, a ponto de o programa dominical Fantástico, da Globo, preparar uma matéria para explicar o fenômeno.


Esse não é o começo, mas com certeza foi um dos momentos marcantes do Sensacionalista nesse campo de mídia fake. O site, criado pelo jornalista Nelito Fernandes na metade de 2009, começou, nas palavras de Nelito, com a “vontade de fazer humor”. “Como eu era um dos redatores do Casseta e Planeta e o programa acabou, eu quis continuar escrevendo, fazendo humor e vi que a internet era uma boa para eu fazer isso”, completa o jornalista.


No entanto, agora a equipe é mais cautelosa. “Se acontecer de um lugar grande reproduzir como se fosse real, a gente avisa”, diz Nelito, para evitar complicações com os colegas jornalistas. Para tanto, Nelito e os outros membros da equipe Sensacionalista assinam as matérias do site com pseudônimos. “A gente faz dessa forma também para evitar que vinculem o que publicamos à nossa carreira, já que todos trabalhamos como jornalistas em veículos convencionais”, afirma.


Ele, que escreve como Otileno Junior no site, trabalhou como redator do extinto humorístico Casseta & Planeta. Há mais de dez anos é repórter da Sucursal do Rio de Janeiro da Revista Época, além de escritor e autor teatral. Os outros integrantes da equipe também possuem uma vasta e consolidada carreira na Comunicação. Martha Mendonça, a Desiree Aparecida, é editora-assistente da Sucursal da Época Rio e companheira de trabalho de Nelito e Marcelo Zorzanelli, o Marcelo Z, é editor da revista Alpha. Leonardo Lanna é um dos roteiristas do programa de TV Sensacionalistas e trabalha como redator de humor da Rede Globo.


Segundo Nelito, as pautas são escolhidas sem segredos: “As matérias sempre misturam assuntos que estão acontecendo, sendo publicados na mídia, com um tom comportamental, do cotidiano das pessoas”, completa.


Jornal Sensacionalista


As notícias fake não ficaram apenas na internet. Em abril deste ano, a equipe do humorístico estreou no Multishow com o Jornal Sensacionalista, sob a produção da Publitape. O programa é exibido às segundas-feiras, às 21h30.


O jornalista explica que é a produtora – independente – quem seleciona os atores que participam das matérias, incluindo aí Cristiane Pinto e Anderson Freitas, que são repórteres de formação e também a serviço do humor.


“As matérias são produzidas com meses de antecedência e por isso são mais atemporais, mais voltados para o comportamento das pessoas. A nossa primeira temporada termina agora e o esquema por enquanto será assim”, comenta Nelito.


TV Fama e Ângela Bismarch


As notícias engraçadas não param por aí. A matéria – fictícia - de que a modelo Ângela Bismarch implantaria um terceiro seio foi uma outra situação que o Sensacionalista esteve nos comentários gerais.


Por mais que a entrevista com a modelo tivesse sido veiculada no Jornal Sensacionalista - ou seja, um jornal humorístico – mesmo assim a apuração descuidada do pessoal da Rede TV! entendeu que a modelo realmente colocaria o terceiro seio, e divulgou no programa a entrevista.


Nelito diz que não sabe se o pessoal da emissora paulistana acreditou na veracidade da informação, “mas eles fizeram a matéria”.


Fonte: Comunique-se

A matéria esqueceu de mencionar um dos mais famosos sites no quesito “Jornalismo Bozo”: Cocadaboa. Esse proporcionou momentos impagáveis como a entrevista do traficante Xaxim a uma aspone de uma entidade que defendia a proibição total de armas, no período em que o governo Lula fez uma plebiscito sobre o tema. Tinha até colunas fixas como SACneie, tirando onde com os famosos serviços de atendimento ao consumidor e o “Perguntar não ofende, responder sim”, onde o colunista Mr Manson respondia as indagações dos leituroes mais assíduos. Merece destaque a briga homérica que Mr Manson comprou com todo estado do Piauí quando lançou o livro: “Piauí, uma jornada proctológica”. Infelizmente, Manson arrumou empregou e deu um descanso para Anselmo Góis, Giba Um, dentre outros colunistas que caíram em sua pegadinhas. Foi com o Cocadaboa que aprendi o significado de “ marketing viral”. O site ainda existe, mas não com o mesmo dinamismo

Viva a liberdade e expressão e a boquinha nossa de cada dia

Diploma: 40% dos registros são concedidos a jornalistas sem formação



De cada dez jornalistas registrados no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), quatro são profissionais sem graduação específica na área. É o que revelam os dados analisados entre entre 1º julho de 2010 e 29 de junho de 2011 pelo MTE, após a formalização das normas para os registros de jornalistas com e sem graduação na área.


Neste período foram concedidos 11.877 registros, sendo, 113 entregues mediante a apresentação do diploma de Ensino Superior e 40%, ou melhor, 4.764 por meio da Decisão/STF, a partir da ordem do Supremo Tribunal Federal, que em junho de 2009 extinguiu a obrigatoriedade da graduação específica em jornalismo para o exercício da profissão.


Não diplomados é recorde em SP


O Ministério do Trabalho também aponta que o estado de São Paulo registrou mais jornalistas sem diploma do os graduados na área. Dos 5.506 registros, 2.853 foram concedidos a profissionais não diplomados, contra 2.653 a jornalistas graduados na área.


Fonte: Comunique-se

Com essa porteira aberta não há necessidade de mencionar itens como defasagem salarial e precarização das condições de trabalho, não é mesmo? O que importo é conseguir o status de jornalista, mesmo que para isso o salário seja miserável. E tem gente que ainda defende a criação do tal Conselho Federal de Jornalismo.

Impunidade eterna

Percorrer o centro de Vitória é presenciar cenas inusitadas, variadas e bem representativas. Passando pela rua Sette vejo uma multidão observando uma exposição organizada pela Amafavv, entidade que luta contra o fim da impunidade de crimes de execução. Cheguei a conhecer a Presidenta, que teve seu filho executado por PMs e o processo simplesmente fica "tramitando".
Se a Justiça brasileira é lenmta, quem dirá o seu braço capixaba? Para não deixar cair no esquecimento, a entidade organizou uma mostra dos casos que entraram para o rol dos insolúveis no judciário capixaba e só não cairam no esquecimento porque seus familiares ainda clamam por justiça.